domingo, 17 de janeiro de 2010

Qualidade

Segundo a imprensa, Rúben Michael está (finalmente, digo eu) a caminho do Dragão. Será tarde demais? Será o suficiente para dar "cola" ao futebol daquele meio-campo sem alma? Uma coisa é certa, Bellushi deve ter tido contra o Paços a sua última oportunidade de se afirmar como "playmaker". E Tomás Costa, um daqueles em que contra todas as vozes eu acreditei, também não me parece que mereça um lugar no 11 inicial.

O jogo de ontem foi o espelho de como é possível perder (mais) 2 pontos num jogo aparentemente fácil. Como? Não apertando com o adversário desde o início, deixando para o fim a pressão sufocante com a qual o jogo deveria ter sido iniciado. Claro está, o Porto não venceu por aselhice própria (a cabeçada do Falcao ao lado, ainda da 1ª parte, é daquelas que não dá para falhar), por sorte alheia (o guarda-redes do Paços fez 2 ou 3 defesas fantásticas) e, para não variar, por influência directa da arbitragem, que inventou um fora-de-jogo ridículo. Mas o FCP já venceu campeonatos em circunstâncias mais adversas: onde está a razão de tanta intranquilidade?

A verdade é que falta qualidade, daquela que decide jogos. Temos montes de jogadores "acima da média", esforçados e, aqui e ali, com momentos de inspiração (Álvaro Pereira, Fernando, Varela, Rodriguez, Fucile e, num patamar abaixo, Guarin, Tomas Costa, Mariano, Sapunaru e muitos outros). Mas não é este o tipo de jogador que faz a diferença quando as coisas estão "pretas", quando o adversário parece ter toda a sorte do mundo pelo seu lado, quando o Sr. de preto inclina o campo em nosso desfavor. Estes são "apenas" os que preenchem os espaços. E jogadores dos outros, daqueles que decidem jogos não por mero acaso mas com frequência, o Porto tem poucos e nem todos se têm exibido ao nível que é suposto apresentarem: Bruno Alves, Meireles, Falcao e Hulk. Convenhamos que é pouco para tanta ambição.

Em suma: a velha política de comprar relativamente barato e em quantidade, aguardando que na molhada venha um Lisandro em potência, foi dando para o consumo interno enquanto os nossos adversários não deram o salto em frente, isto é, enquanto não investiram pela certa (independentemente da maneira misteriosa como o dinheiro surgiu, de repente, para tantas aquisições milionárias). O Porto tem quase tantos pontos como tinha no momento equivalente da época passada - o problema é que, com grande probabilidade, vai hoje ficar a 6 pontos da liderança. Sem cair na vertigem popularucha de achar que a nossa equipa vai melhorar se o PC desatar a comprar mais um saco cheio de argentinos desconhecidos, acredito que vale a pena investir no Ruben, recuperar o Pedro Mendes e também o Evaldo (que já fez parte da equipa B). Já agora, porque não dar uma oportunidade imediata ao Ukra?

2 comentários:

Dragaopentacampeao disse...

O FC Porto vem dando mostras da necessidade de um bom substituto para Lucho.

Será Ruben Micael a solução?

O empate frente ao Paços reflecte as dificuldades habituais (transições ofensivas mal elaboradas, muita precipitação e ineficácia) a que se juntaram a influência negativa da arbitragem. São já quatro pontos perdidos nos últimos jogos (2 na Luz e 2 ontem).
Viva a APAF!

Ainda que não esteja tudo perdido, começa a ficar cada vez mais complicado sustentar a ambição de renovar o título, sustentada em exibições tão pouco confiantes.

Agora só nos resta não perder mais nenhum ponto até final (o que me parece impossível) e esperar que os outros escorreguem.

Um abraço

GdI disse...

Não estará na altura de uma acção concertada dos adeptos portistas?

Blogues, Claques, Sócios, adeptos, manifestações espontâneas...algo que mexa com o ANDOR!!! O copo está a transbordar...

Aceitam-se sugestões!!!!

GdI
(guerreirosdainvicta@gmail.com)