sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Até queima!

Jornalista e empresário?

O Labaredas tem optado por ignorar a corja que se alimenta de veneno e histerismo antecipado, mas chega-se a um ponto em que até a paciência de Dragão tem limites… Este «fogacho» é simples: que moral ou sentido crítico tem um jornalista-empresário de jogadores? Não tem nenhuma. Só mesmo a falta de decoro (e A Bola…) lhe permite emitir opiniões.

«Esta semana, pareceu-me ouvir alguém pedir que se faça “um apito encarnado”. Desconheço se é preciso. Mas é preciso ter lata.»

João Bonzinho, A Bola, 15 de Janeiro de 2010

«Fui confrontado com a hipótese de rumar ao Benfica por duas figuras do jornalismo nacional, e em especial da Imprensa desportiva: Leonor Pinhão, assumida benfiquista do jornal A Bola, e João Bonzinho, que também pertence ao mesmo jornal e que nunca fez questão de negar as suas cores clubistas. Foi-me dito que ambos tinham ligações próximas com a direcção do Benfica» (…) «Assinei contrato pelo Benfica, no Bairro Alto, na casa de Leonor Pinhão e do seu marido, o realizador João Botelho. Para além dos dois, estavam lá João Bonzinho, Jorge de Brito, como representante do Benfica, e o meu jovem advogado»

Fernando Mendes, Jogo Sujo

http://www.fcporto.pt/Clube/Labaredas/noticialabaredas_labaredas_150110_49373.asp

2 comentários:

Noviça Constança disse...

No ponto em que estamos, já nada me choca. Vergonha é coisa que parece ter desaparecido na família benfiquista (termo que adoro).

condor disse...

Não me lembro onde li isto!
Tambem não é importante!
Os Portíadas"

CANTO PRIMEIRO

1

A fama dos Dragões assinalados
Que desta Mui Nobre, Invicta e Leal,
Em estádios nunca antes disputados
Jogaram p'ra ganhar cada final,
E em torneios e jogos esforçados
Mais do que era sonhado em Portugal,
Entre gente remota conquistaram
Nova glória, que tanto sublimaram;

2

E também as memórias gloriosas
De oitenta e sete, aí principiando
Nova Era, e as terras viciosas
Que de Espanha ao Japão foram domando,
E aqueles que por obras valerosas
Se vão da lei da Imprensa libertando,
Cantando espalharei por toda parte,
Se a tanto me ajudar o engenho e arte.

3

Cessem da pantera e mais felinos
As deambulações grandes que fizeram;
Cale-se dos tais cinco violinos
A fama das vitórias que tiveram;
Que eu canto o peito ilustre dos meninos
A quem Manchester e Real obedeceram!
Cesse tudo o que Record e Bola cantam,
Que outros valores mais alto se alevantam!