domingo, 27 de novembro de 2011

Esqueçam os últimos 5 minutos

A lógica em futebol é uma batata. Há uma semana, o Braga não mereceu ser eliminado pelo Sporting no jogo da Taça. Ontem, o Sporting não mereceu perder na Luz. Hoje, no Dragão, o FC Porto não mereceu ter sofrido naqueles últimos minutos. O resultado é mentiroso pois sugere dificuldades que o campeão não teve, sugere um jogo equilibrado em que a incerteza do resultado foi uma constante, o que obviamente não aconteceu.
Os adeptos reencontraram-se com a equipa e foi bonito ver outra vez o Dragão com um sorriso nos lábios. Mas Vítor Pereira (ainda) não está a salvo. E isso foi notório nos assobios que recebeu por substituir Defour, que estava a ser o melhor homem em campo. Os adeptos ainda têm contas a ajustar com o treinador e agora só uma sucessão de vitórias poderá fazer subir os níveis de popularidade do treinador.
Hulk acabou por ser o melhor do jogo, ele que até começou mal, com uma série de disparates e más opções que enervaram as bancadas. Mas o Incrível é um jogador fenomenal e temos de contar sempre com ele, porque dali qualquer coisa fantástico pode surgir a qualquer momento. Enquanto esteve em campo, foi Defour a mandar no nosso jogo. O belga está a ganhar espaço e terreno, face à lesão de Guarin e às intermitências de Belluschi.
Agora, ainda há questões por resolver naquela equipa. Em primeiro lugar, saber até quando teremos Maicon a lateral-direito, ele que defensivamente até tem estado bem (se excetuarmos aquelas paragens cerebrais que por vezes lhe acontecem), mas tira-nos profundidade atacante pela direita. Em segundo lugar, saber se a aposta em Djalma é uma experiência ou apenas fruto das circunstâncias. O angolano não tem estado mal, mas ainda não faz a diferença e isso é o que separa o Djalma do Marítimo e aquele que tem de se impor no FC Porto. Finalmente, quando Mangala recuperar, saber qual o central que vai saltar fora, porque eu acho que as coisas não estão bem lá atrás.

4 comentários:

André Pinto disse...

1º) Maicon esteve bem defensivamente por falta de flanqueadores no jogo do Braga. Quando, nos últimos 5 minutos, Lima começou a procurar o um para um com Maicon, deu dois golos.

2º) A substituição de Defour - disparate que só um anão mental não antevia - fez com que perdêssemos o meio campo. Souza não tem a mesma área de acção defensiva, o mesmo rítmo de competição, nem a mesma clarividência atacante de Defour.

3º) Para lá do desiquilíbrio defensivo que pauta o nosso sector recuado, há uma quantidade alarmante de passes falhados em zonas proibidas.

4º) Quem é aquele jogador amorfo, fisicamente em baixo, tecnicamente displicente, que veste a camisola de nome "James Rodriguez"?

5º) O melhor em campo foi Hulk e os adeptos portistas.

6º) Até ao golo do Hulk, os comentadores da TVI diziam que o Braga estava a dominar o jogo, afirmação completamente contrária à realidade e que apenas reflectia o desejo dos comentadores. Após o 1-0 instalou-se um tom de desânimo nas vozes comentadeiras e os silêncios tornaram-se mais frequentes e prolongados. A partir daí, todo o sucesso do FCP era mérito do Braga, tal como toda a desgraça benfiquista é da responsabilidade de Pinto da costa.

7º) O árbitro roubou até mais não. Há um golo mal anulado ao FCP e dois foras-de-jogo mal tirados, em que o jogador seguia isolado para a baliza. Porrada perdoada aos jogadores do Braga. Os 3-2 finais podiam muito bem ter sido uns 5 ou 6-0.

8º (para acabar): A competição entre Benfica e FCP tem-se saldado numa corrida para saber quem é mais sortudo. Até agora, o paio mais gordo tem estado do lado vermelhusco. Safaram-se com uma vitória, a uma derrota certa frente ao Sporting (pelo menos 2 golos falhados de baliza aberta) e sacaram um empate naquilo que foi um massacre em Old Trafford. Mas a troupe comentadeira, tal como Jorge Jesus, acha que isso são excelentes prestações. No caso do FCP, é pura sorte e está tudo por um triz.

Rui Anjos (Dragaopentacampeao) disse...

O Campeão está de volta! É a melhor crítica que posso fazer à exibição portista frente à competitiva formação bracarense.

Sem ser um jogo excepcional, o FC Porto demonstrou que quando há empenho a vitória é quase um dado adquirido.

Hulk em grande, apesar de algumas falhas irritantes, Defour e Moutinho preciosos, Fernando muito concentrado e imperial, enfim, o futebol portista começa a dar uma imagem positiva e a mostrar que chegar em primeiro no final do campeonato é uma questão de atitude.

Um abraço

LC disse...

Depois de assistir ao jogo cheguei a conclusão que o sr. professor VP é de longe o pior em campo. Consegue ver o que mais ninguém vê !!Professor não invente p.f.!!!!
Ja agora, sabiam os meus caros amigos que as modalidades amadoras do nosso clube são obrigadas a pagar um aluguer ao clube (que tão bem representam) pela utilização do DRAGÃO CAIXA? Que palhaçada é esta? Perderam a vergonha? E sim é verdade, pelo menos os jogadores de hoquei já não recebem ha 2 meses!!!!!

Pôncio disse...

O Rui Anjos disse o essencial: "o FC Porto demonstrou que quando há empenho a vitória é quase um dado adquirido.". Isso e o VP não ter asneirado mais cedo: aquela ideia estúpida de tirar o belga de jogo quando estava a ser o melhor em campo foi simplesmente um tiro no pé que só não deu pior resultado porque o Leonardo Jardim demorou muito tempo a reagir à desvantagem. E, claro, nós temos o Hulk e eles têm o Lima.