quarta-feira, 7 de julho de 2010

São 11 contra 11 e no fim ganha a Espanha

Consistência. É esta a palavra que falta no nosso dicionário da selecção. É precisamente esta palavra que me surge com mais frequência quando vejo a Espanha a jogar. Tive pena da eliminação da Alemanha, a selecção que me conquistou neste Mundial, mas a Espanha é uma grande equipa a todos os níveis. A Alemanha pagou o preço de querer jogar na expectativa e dar a bola à Espanha, precisamente o tipo de selecção que gosta de ter a bola. "Água mole em pedra dura tanto dá até que fura" e Puyol furou a baliza quando faltava cerca de um quarto de hora para o final. Tarde de mais para uma Alemanha que tinha passado a maior parte do jogo à espera de um erro espanhol. Crentes!

2 comentários:

reine margot disse...

Estou consigo Guardabel! acho que só as pessoas que gostam mais de ganhar do que de futebol estão com a Espanha... é um jogo - com muitas virtudes - mas muito chato, muito rendilhado... e, depois de tantos falhanços, e tentativas frustradas, quando o adversário já quase desistiu de acreditar que dali vai sair alguma coisa, vem golo!

Michael Knight disse...

Jogo chato?
Não acho.
A Espanha joga futebol. Joga o futebol que todos jogariam se tivessem capacidade para isso. E tivesse a Espanha um seleccionador diferente e certamente já contavam com algumas goleadas.

Não me lembro de um plantel com 3 ou 4 números 10's possíveis, acompanhados de extremos e pontas de lança que também jogam futebol.

Espectacular.