quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Ó Jesualdo, viste aquele Meireles?

Aquele médio que jogou, fez jogar e marcou o golo de Portugal, ontem, na Bósnia, era capaz de ser uma grande contratação para o FC Porto. Chama-se Raul Meireles e parece que anda perdido em campo quando joga no campeonato nacional. Ó mister Jesualdo, não podíamos ir buscá-lo? Ou a alternativa será trazermos o treinador que o põe a jogar assim, Carlos Queiroz?

Fiquei muito feliz com o apuramento de Portugal para o campeonato do mundo ainda para mais com a contribuição decisiva de dois jogadores do FC Porto e participação de um contingente de ex-jogadores do tetracampeão: Paulo Ferreira, Ricardo Carvalho, Pepe e Deco. Assim, temos a garantia de uma manchete de A Bola mais patriótica e menos... vermelhusca.

Não vi o jogo da primeira mão, mas, pelo que vi ontem, esta Bósnia era mais fogo de vista do que outra coisa. Vi ali dois jogadores de nível equivalente ao nosso: Dzeko e Pjanic. O resto era muita crença e pontapé para a frente. Sempre que conseguimos pôr a bola a rolar no lamaçal, mostrámos que estamos num patamar bem acima do dos bósnios.

O ambiente era frenético, mas veio confirmar o adágio de que "cão que ladra não morde". Só não consigo perceber como é que a FIFA permite que se jogue naquelas condições um jogo de tão grande importância. E a agressão ao fiscal-de-linha foi incrível. Só faltou entrar em campo um bósnio e agarrar o pescoço do homem, como se vê, por vezes, em certos campos terceiro-mundistas.

E agora estamos na África do Sul, de onde Carlos Queiroz foi chutado há uns anos. Entrar pela porta grande vai saber-lhe bem.

4 comentários:

André Pinto disse...

Portugal passa com a sorte dos campeões. Três bolas aos postes e muito sofrimento na primeira mão permitiram explorar o desiquilibrio existente entre a qualidade dos sectores avançados e recuados da selecção bósnia. Em vantagem na eleminatória, Portugal sabia que o adversário teria que jogar de forma diferente da que praticou na Luz. Assim, bastou esperar que se balanceassem no ataque e deixassem a defesa entregue a si mesma. O esquema normal desta equipa é a das ajudas do meio campo, na defesa, e trasição directa para Dzeko. Ontem, as ajudas faltaram e aquilo lá atrás era muito fraquinho. O resto foi trocar a bola com paciência. Meireles o melhor em campo, encheu o relvado, perigosíssimo no ataque, sobretudo em 2ª linha. Vi um jogador voluntarioso, sem problemas de forma. Mais um indício que no FCP o que há é um problema anímico. E isso é da responsabilidade de.... (fill in the gap)

A pergunta neste é: será Queirós o selecionador para o Mundial? É uma pergunta retórica, na medida em que o Madaíl é um verme acéfalo. Até quando vamos continuar a colecionar falhanços desse senhor, para entender que não é capaz de tornar um conjunto de jogagores numa equipa combativa?

P.S: Faz muito sentido, tendo em conta a enorme estatura do "Levezinho", colocar Liedson entre os anões centrais bósnios e deixar o Hugo Almeida no banco. No jogo da Luz o Liedson terá tocado na bola umas 3 vezes durante todo o jogo. Belo.

Azul disse...

Ontem tive a certeza que o problema do FCP é um problema motivacional...basta ver como jogou o Meireles. Sempre defendi que se era para começar de novo, começava-se também com um novo treinador. Confesso que estou apreensivo para o jogo de sabado...

miguel_canada disse...

Guardabel, a Bósnia é muito melhor do que se viu ontem e aqui é que entra a ironia das ironias...
A Federação Bósnia de futebol, ao marcar o jogo para aquele estádio deplorável tinha em mente um planozinho merdoso de dar mais chances a sua selecção. Sabendo que Portugal era muito melhor tecnicamente, escolheu-se um estádio com um relvado miserável para cortar pela raiz essa supremacia técnica lusa só que o feitiço virou-se contra o feiticeiro e deu-me a impressão que quem mais se lixou com o estado da relva foram os próprios bósnios.

Portugal demonstrou uma maturidade impressionante na forma como contornou esse obstáculo mais o ambiente hostil que se gerou a sua volta desde o dia da chegada.
Grande trabalho de Queirós na recuperação mental de uma selecção que andava a deriva.

P. Cardoso disse...

não é preciso ir buscar o queiroz
basta ter um jogador como o Deco à frente .

ABRE OS olhos Jesualdo, em 4-3-3 também se joga com médios claramente ofensivos e que até já nem têm pernas para andar a recuperar jogo como o Deco.

leandro Lima ou Luís Aguiar não seriam titulares em 70% dos jogos do FCP? (aqueles contra academicas e belenenses, que o Porto teima em jogar mal)... enfim