sábado, 5 de setembro de 2009

Azelhas e vikings

As preces da Igreja Scolarista Lusitana foram ouvidas: Portugal está 99,9% fora do Mundial 2010. E, muito francamente, olhando para este jogo, é difícil colocar o trabalho do seleccionador em causa quando jogadores com a experiência e a qualidade dos que dispomos falham tantos golos. Mas isso é uma parte da história deste (não) apuramento.

Como disse antes, a Dinamarca tinha tudo a seu favor, mas ainda sobrou mais durante a 1ª parte: uma benevolência excessiva com as placagens dos vikings (uma coisa é "deixar jogar" outra é não marcar as devidas faltas), um penalty perdoado e, está claro, uma eficácia demolidora: no primeiro remate decente à baliza de Eduardo fizeram golo. Ainda mais espantoso é ver que Portugal fez uma 1ª parte de domínio absoluto (sobretudo depois dos 20 minutos de jogo), com jogadas ao primeiro toque, aberturas fantásticas mas, na maioria dos casos, remates anémicos ou que erraram o alvo.

Curiosamente, Portugal marcou na 2ª parte, etapa do jogo em que atacou atabalhuadamente e onde os dinamarqueses tiveram várias hipóteses de "matar" o jogo. Foram 40 minutos de absoluto desespero e desordem, em contraste com a harmonia com que as transições foram feitas no 1º período. Depois do golo, marcado na sequência de um canto, por um jogador baixo que nem precisou de tirar os pés do chão (suprema ironia, não é), Portugal voltou a empurrar os Dinamarqueses para trás, mas foi tarde demais.

Poder-se-á dizer que o Liedson deveria ter feito parte do 11 inicial. Que, eventualmente, a história do jogo seria muito diferente se o penalty tivesse sido assinalado. Mas a verdade é que a infelicidade deste e do outro jogo com a Dinamarca não são a causa do nosso mal sucedido percurso na fase de apuramento. Portugal falhou em muitos outros jogos e é por isso que hoje estava à mercê destes acasos do futebol. No futebol, como no resto, a sorte desempenha um papel relevante, mas quando apenas se vence 2 jogos em 7 possíveis, é desonesto evocar esse factor como justificação para o insucesso global.

8 comentários:

A. Sokyashi disse...

Portugal tem que ganhar os jogos todos.
A Suécia tem que perder pontos.
Se empatar, ficam ambos com 19 pontos.
Neste momento, a Suécia tem vantagem nos golos.
Caso Portugal passe a Suécia nos golos, ficaria em segundo lugar com 19 pts.

Para o cálculo dos melhores segundos, os grupos com 6 equipas vêm os jogos com o último a serem descontados: ou seja, "perderíamos" 6 pontos (e os golos) com Malta. Ficaríamos com 13 pontos e 5-5 em golos (o desempate em golos com a Suécia não tem golos nem pontos descontados).

A Escócia tem neste momento 10 pontos, e está no grupo de 5 equipas (neste grupo não se descontam resultados). O próximo e único jogo da Escócia é em casa com a Holanda. Podem ficar também com 13 pontos.

Ora, Portugal se ganhasse os 3 jogos que lhe faltam, teria sempre marcado no mínimo mais 3 golos do que os sofridos. Descontando o resultado com Malta, eram sempre mais 2 golos. Ou seja, um mínimo de 7-5 no saldo de golos.

A Escócia tem neste momento 6-10 em golos. Precisaria de 12-10 no mínimo para passar o mínimo de Portugal 7-5). Ou seja, ganhar 6-0 à Holanda.

Ou seja ...
Portugal precisa de:
Ganhar todos os jogos
A Suécia perder pontos (uma mãozinha da Dinamarca ou um deslize na Albânia).
Temos que ficar à frente nos golos.
E claro...
GANHAR O RAIO DO PLAYOFF

Penso que é assim, se não me enganei em nada.

A. Sokyashi disse...

Desculpa lá trazer o tema da sorte à baila: deve ser sempre evitado; mas tem que ser, quanto mais não seja para desabafar :(

Perdemos com a Dinamarca 2-3 em casa, de uma forma estranha - a sorte foi madrasta connosco.

Ganhamos à Albânia mesmo nos descontos - a sorte foi gentil connosco.

Não marcamos nos minutos finais do jogo em Copenhaga - a sorte foi madrasta connosco.

A Suécia marcou nos minutos finais - a sorte foi gentil com eles.

Acima de tudo, a sorte foi justa com os Suecos. Por isso, para chamar a sorte ... é só mesmo para lhe chamar ingrata e madrasta a essa senhora.

Precisavamos de 80% killer instinct e 20% de sorte. Estamos longe no primeiro e o segundo não quer nada connosco.

Mas, raios ... podíamos ter um pouco de sorte, não? Um nico. Coisa pouca.

A. Sokyashi disse...

Pacientemente esperando Mourinho

sguna disse...

Azar vem de azelha!

dragaovenenoso disse...

Alô...acabei de chegar!

dragaovenenoso disse...

Pois bem, o jogo da selecção. Não vou repetir os comentários dos meus ilustres colegas. Mas aponto o dedo ao Carlos Queiroz. Por que raio desfez o meio-campo ao intervalo?! Os gajos marcaram um golo com um piroco do carago. Que incentivo transmitiu aos jogadores ao intervalo?! A meu ver este homem pode ter jeito para formação, para os AA não tem, nunca teve. Vejam o que fez na sua carreira depois de sair da formação.

Só outra coisa: nunca gostei do sargentão. Quando este saiu (e já foi tarde) a FPF devia ter contratado um treinador que não o Carlos Queiroz. é muito boa pessoa, mas não tem e estou convencido que nunca vai ter estofo para conduzir adultos.

O Ronaldo está muito abaixo de forma, a meu ver. E está mal colocado porque recebe a bola de costas. Ele é bom em dribles, não a esperar que a bola vá ter com ele.

Marco disse...

Para que fique registado, detesto o scolari, mas o Queiroz é um pata fria que nunca ganhou nada como treinador principal em selecções ou em clubes.... Obviamente o Scolari teve outros ovos para fazer a omelete e beneficiou da ajuda da "santa" na qualificação para o Europeu onde tb não ganhou nenhum jogo importante.....

Depois deste desaire há que pensar bem o futebol portugues e acima de tudo meter gente nova na selecção tirando de lá o seboso do Madaíl.....

Marco

condor disse...

Esqueçam!A selecção não vai a lado nenhum nem nunca foi porque toda a vida esteve condicionada á vontade dos fundamentalistas lisbonenses!