domingo, 17 de maio de 2015

Não merecemos nada

Depois de passar a semana a dizer que a equipa sabia o que tinha de fazer em Belém, que os jogadores estavam focados em continuar na luta pelo título, o que é que acontece hoje? Talvez e só a pior exibição da época. Ou, pelo menos, uma das que figuram certamente no grupo das piores. Alguém enganou Lopetegui. Ou ele é que nos enganou, a todos nós, adeptos. Porque não se admite aquela postura em campo, não se compreende tanta apatia e azelhice ao mesmo tempo. Se o clube do manto protetor ainda estivesse a ganhar 3, 4 a zero, com as coisas já decididas em termos de título, talvez fosse compreensível algum desânimo à medida que o jogo fosse avançando. Mas, pelos vistos, nem o facto de haver 0-0 em Guimarães os fez comer a relva. Acabámos por lhes entregar o campeonato numa bandeja de prata quando tínhamos tudo para os fazer sofrer até à última.

11 comentários:

Miguel disse...

O meu comentário é o mesmo que foi postado num blogue amigo e a frustração ainda mais encardida!;
Confesso que em vez de ver o nosso jogo, estive a ver o jogo dos coisinhos com animo para festejar qq golo do Guimarães, pois pensava que haveria garra e faca na liga, para o jogo np Restelo, ou seja a vitoria desta vez não fugiria! mais não fosse para estragar a festa antecipada das gaivotas... PQP, Um golo e gerir o resultado? Quando a nossa "gestão" tem dado tão maus resultados? Que merda de equipa é esta que tanto faz como fez, desde que caia o cheque no fim do mês? É isto que queremos importar da capital do império falido? O nosso ADN está assim tão decrepito? PQP. Se for preciso recontratem as "velhas" glorias do nosso Porto (por exemplo as do jogo de despedida/homenagem do Deco) que o resultado até poderia ser o mesmo ou pior, mas o relvado do Restelo teria que ser replantado!!!! Perdoem a minha linguagem mas hoje estou chateado com F maiúsculo!!!

André Pinto disse...

O titulo do post resume na perfeição o que foi a nossa temporada. Um quase nada.

Esqueçamos a parte arbitral da equação e foquemos o que é da nossa responsabilidade.

Ja ninguém se lembra, mas eu recordo o que foi a primeira volta. Com um plantel de luxo, estivemos ate Novembro sem repetir 11. A massa adepta foi tolerante, acreditou no pseudo-projecto, engrupiu a propaganda da direção e condenou eventuais apupos. Paciência com o trabalho do treinador - pediam os portistas - trabalho esse que se via desastrado, sem rumo e muitas vezes roçando o absurdo nas suas escolhas. Safou-se uma fase de grupos tranquila na Champions, contra equipas de monta menor.

Pelo meio, houve uma eliminação humilhante da Taça de Portugal em casa, frente o Sporting, depois de o seu presidente ter passado a semana dizendo do FCP o que Mafoma não disse do toucinho. Relembro também o jogo em casa contra o franquissimo Boavista, em que uma equipa de 2a categoria arrancou o empate (e quase a vitoria), por simplesmente ter duas linhas defensivas estáticas e muito próximas. Essa estratégia viria a ser aplicada por Jorge Jesus na vitoria por 0-2, explorando igualmente os erros constantes da nossa 1a fase, na zona central da defesa.

Eu suma, deram-se muitas 1as partes de avanço em muitos jogos, o que redundou na oferta de uma volta de avanço ao Benfica.

Vem a segunda volta, com a motivação acrescida da Champions e a sorte no sorteio. A equipa conheceu uma fase de estabilidade competitiva, com algum crescimento. Manteve-se a toada vitoriosa no campeonato, esperando o momento para dar a estocada num Benfica que não convencia e empatava frente ao Sporting, com sorte incrível, depois de ter sido dominado, toureado e humilhado toda a partida, salvando-se apenas por uma noite brilhante do seu guarda-redes. O Benfica escorregou uma vez (Paços de Ferreira), duas vezes (Rio Ave). O FCP respondeu com falta de classe, mediocridade e nenhuma ambição nos momentos decisivos. Entretanto, acabamos eliminados da Taça da Liga pelo Marítimo, reeditando uma derrota anterior com iguais contornos técnicos e desportivos. Safava-se, mais uma vez a Champions, onde ficou clara a diferença de qualidade entre o nosso plantel e o do Basileia. Seguiu-se o Bayern, que se enfrentou com brio e brilhantismo na 1a mão, para se acabar a competição esmagados e com opções inacreditáveis do treinador, sem falar do seu comportamento no final do certame. Seguiu-se o jogo do titulo na Luz, onde se esperava que os jogadores comessem a relva. Acabou-se o jogo com um miserável 0-0 e os centrais do FCP trocando a bola entre si. Para acabar, com 6 pontos em disputa e a 3 do 1o, estando o adversário empatado na sua partida, temos a pior exibição da temporada.

André Pinto disse...

Balanço final:

1) Lopetegui foi incompetente. Ponto. O contrario é estado de negação. A sua falta de competência pode ate ter sido conjectural (falta de conhecimento, experiência, etc.), mas existiu e quem o negar esta doente da cabeça. Uma segunda época permitiria ao treinador basco rectificar? Talvez, mas é uma opção de alto risco que ninguém na estrutura do FCP quererá assumir (3 épocas seguidas sem vencer, insistindo num treinador que nada ganhou).

2) A SAD e o presidente falharam redondamente, mais do que Lopetegui. A estratégia de aquisições para construir o presente plantel foi, no mínimo, discutível. Não vou reincidir nas limitações de construção a curto/médio prazo, que muitos portistas preferem ignorar. Vou chamar a atenção para a tremenda dificuldade que é para um treinador ter de gerir os humores e rendimento de jogadores emprestados por colossos. O efeito que isso tem nos restantes elementos da equipa, a relação com a imprensa, a projeccao das épocas, etc. Casemiro, por exemplo, ate Dezembro era outra coisa que não um jogador de futebol. No final de Janeiro, a imprensa espanhola já dizia que o Real Madrid pretendia o seu regresso. Não obstante a coisa ter corrido bem, a boa venda de Danilo em plena competição podia ter dado merda no seu rendimento. A meio da segunda volta, o director desportivo do Atlético também veio a publico dizer que contavam com Oliver para a próxima temporada. Confusão.
Por outro lado, perante o constante enxovalho que nos foi propinado por todos os lados, apenas Lopetegui deu o peito as balas, sinal de apodrecimento da famosa "estrutura" que tanto sucesso trouxe ao nosso clube.

3) A resultante de 1) e 2): falta de estabilidade e rumo.

Repetir a formula deste ano para o seguinte será desastroso.

André Pinto disse...

Reset e começar outra vez, tornando a formulas que deram sucesso no passado.

i) Treinador que combine elevado conhecimento e experiência técnica, com um carácter extremamente combativo;

ii) Uma equipa feita a imagem do treinador, tendo por critério máximo de seleção o modelo de jogo a implementar.

iii) Subalternizar a influencia de negociatas na construção do plantel - o que implica purgas na SAD. Desde Hulk que não se compra um jogador desconhecido nas altas esferas para o valorizar no clube. Danilo e Alex Sandro foram muito caros, tal como Herrera. Jackson também e tivemos forte concorrência do Liverpool. Tiveram evoluções muito lentas (excepcao de Jackson), uma vez que o salto para gigantes estava mais próximo nos respectivos horizontes do que em casos anteriores, pelo menos na cabeça desses jogadores. Precisamos de Maniches, Decos, Lisandros, Pepes, Fernandos, Derleis, etc. E não de gastar balúrdios em fulanos que estão em clara trajectoria do estrelato e que nunca comerão a relva pelo FCP. Sobretudo nas competições internas. Agora a nova moda, pelos vistos, é ir buscar emprestados de luxo para posições fulcrais, daquelas em se pede estabilidade de ano para ano...

iv) Decorrendo de iii) não existem no plantel jogadores de que sigam a tradição dos experientes. Quaresma representa uma rotura total com a linha de Paulinho Santos, João Manuel Pinto, André, Jorge Costa, Vitor Baía, etc. e que foi entrando em claro declínio depois de Bruno Alves. Essa função esta agora totalmente entregue a equipa técnica. A manutenção de uma certa cultura competitiva, própria do FCP, foi totalmente descurada e nada se tem feito para a recuperar. Actualmente, como clube e equipa, o FCP é uma coisa abichanada, domesticada, resumido ao queixume do seu treinador. Dói dizer, muito mais ouvir.

v) Creio que vale a pena questionar o papel e responsabilidade do presidente na actual ordem das coisas. A substituição de Pinto da Costa terá de ser discutida e preparada quanto antes. Para começar, a sua influencia nos destinos do clube esta muito diminuída. Institucionalmente, a sua presença tem sido muito fraca e as suas declarações erráticas. Precisamos de um líder forte - tão ou mais do que o treinador. Recordai que a atmosfera em Portugal esta saturada de benfiquismo e sem transversalidade da combatividade, do presidente ao jogador, querer vencer, dominar como no passado, será pura ilusão e obra das circunstancias.

Vejo muito portista num estado mental de crendice parva, quase idiota, de confiança num futuro lindo a manter-se o que temos actualmente (e não se manterá, porque a equipa vai ser desmantelada). Sabem o que se diz das pessoas que repetem duas vezes os mesmos disparates, esperando resultados diferentes?

cian disse...

Lopetegui conseguiu num ano aquilo que Jesus conseguiu em pelo menos três. Ser ridicularizado pelas massas adversárias pelo que diz, fazer pior no relvado, e ajoelhar no fim...

Nem sei o que dizer deste basco(para não lhe chamar outro nome).

https://www.youtube.com/watch?v=dCvK9LLH2v4

Por favor sr. Pinto da Costa encontre outro treinador porque isto não é ser Porto. E por favor deixem-se de merdas de cores para camisolas, tipo rosinha.

Algo vai mal no Porto quando aceitamos o rosa como a cor de uma camisola para os nossos jogadores darem tudo dentro de campo. E não me venham falar da das gajas que é por causa delas e para vender, e etc., façam 4 camisolas, uma para as gajas e 3 para os homens que jogam em campo.

E pior do que isto tudo é tanto cérebro naquele banco que podia, e devia, aconselhar Lopetegui a fazer boas decisões, principalmente o não ajoelhar, não mostrar mau perder, aconselhá-lo no caminho correcto, e estão ali como se nada fosse com eles, Antero Henriques agarrado ao telemóvel como se o jogo nunca mais acabasse, que Porto é este?

Bruno disse...

olhe la as arbitragens ve http://hugogil.pt/o-manto-protector-azul-e-branco-de-201415/ diga la de quem e que foi beneficiado com as arbitragens , ainda ontem anularam nos um golo limpinho .. mas por acaso o senhor se admitir que se equivocou com base em estes argumentos , tiro lhe o meu chapéu senao é mais um com falta d honestidade intelectual e com um mau perder incrivel : )

Ribeiro DeepBlue disse...

Quem é este tóne que veio para aqui respingar?...
Acabou-se o farelo? Aqui não há.

Azul disse...

Merecemos, merecemos...merecemos o que tivemos ou seja nada!
Se a mudança tiver que começar no presidente que comece, de insubestituiveis está o cemitério cheio.
A continuar assim temos um longo deserto para atravessar.
Ganhar o jogo ontem não nos ia dar o campeonato, mas porra tinhamos de ter ganho o jogo.
Chega!

Ribeiro DeepBlue disse...

Gostaria de perguntar ao exemplo da Ganadaria Cunha e Teles, Mimosa de seu nome, com 600 kg de músculo, raiva e corno, que para aqui veio pastar, se no vídeo estão todos os casos que ocorreram durante a época. E digo bem....todos?
Fazer videos, todos sabemos fazer.
Eu, sem ver essa merda, e acredita que no o irei fazer, porque por muito menos se apanha uma doença, quase, quase, quase que apostaria que o mesmo tem uma ajuda na produção da Benfica TV, esse hino à isenção e imparcialidade.

O Bófia.
O Bófia é um bandido.
Bateu no pai à frente do menino.
O pai que apenas se limitou a trazer o menino para o meio de uma claque conhecida pelos seus actos violentos (como o pode comprovar o director do Estádio D. Afonso Henriques).
O pai que, cioso de demonstrar ao seu filho como se deve respeitar a autoridade, gesticulando e levantando os braços para o sub-comissário.

No fundo, este apenas se limitou a aplicar no papá a mesma técnico que Jorge Jesus usou (olha, coincidência, no mesmo estádio!!!) ao bater num polícia argumentando que estava a defender o adepto.
Subcomissário, fizeste tanta falta há dois anos, tu e o teu bastão.

Entretanto a Mimosa do comentário anterior vai poder trautear o novo slogan da cerveja Sagres:
"Cachecois, Bandeiras (duma claque ilegal que não deveria ter entrado ontem no estádio em Guimarães com adereços), Bifanas, 'Relotes', Vermelho, Vermelho, Amarelo, Garrafas de Sagres a voarem pelo ar e a aterrarem no capacete da Polícia de Intervenção. Casas de banho destruídas, caixas registadoras arrombadas. O futebol? O FUTEBOL SOMOS NÓS!!!!"

Já agora, sobre esta histeria à boa moda benfiquista.
Alguém se lembra se esta gentinha toda levantou a sua voz de indignação quando num jogo em Alvalade, em 2004, após Dias da Cunha ter proferido a famosa frase das chaimites, uma série de adeptos, em frente a crianças também, foram agredidos (com presença de câmaras)?
Não, pois não?
Ninguém se indignou, pois não?

Então, este pai que "tem o filho a jogador no Leixões" que se foda...




guardabel disse...

AH AH AH AH Muito bem, Ribeiro...

MT Blog disse...

Fomos brindados mais uma vez com uma manifestação de nacional parolismo benfiquista. Se com um bi-campeonato os festejos foram assim, há que pensar em comprar umas fuscas e criar uma reserva de mentimentos em casa caso se sagrem um dia tetra ou penta campeões. Os noticiários lá lamentaram as imagens do motim lisboeta e da destruição do estádio do Guimarães colocando o foco noticioso no comportamento incompreensível de "alguns"
benfiquistas. Tivesse ocorrido algo similar em festejos de portistas, lá apareceriam os perpetradores de ódio do costume a falar na "cultura" de arrogância e violência do clube que "passa para os adeptos". Neste contexto de "festa" sul-americana o episódio da bastonada no papá caíu do céu. Colocou-se isso em primeiro plano e desviou-se o mais possível a atenção mediática para o comportamento de um único polícia. O "menino" de 9 anos vai receber a Taça, milhões de almas vão prestar uma sentida homenagem às "vítimas" e os jornalistas e comentadeiros do regime vão elogiar o mais que poderem o grande sentido cívico da "Instituição" Benfica e do seu grande Presidente. Nauseante. Por fim permitam-me uma análise sociológica. Um país dilacerado por casos de corrupção que lesaram os contribuintes em biliões de euros, com 40% de desemprego jovem onde 300.000 de pessoas se viram obrigadas a emigrar nos últimos 4 anos, onde se cortam pensões, se destroem direitos laborais, se privatizam empresas públicas que dão lucro.... O que é que causou mais violência urbana e agitação social ? O futebol e os festejos de um campeonato. Paradigmático. Viva Portugal. Viva o Benfica.