domingo, 14 de agosto de 2011

Temos pena

"As leis futebol protegem Benquerença neste caso. Porque se insere na lei 12, que diz que um puxão ou agarranço deve ser punido com falta. Ela é tão subjectiva que permite que se marque este lance. Eu não marcaria."

Acabei de ouvir estas declarações, na SIC Notícias, pela boca de Rui Santos, o sagaz e proeminente comentador de futebol que todos gostamos de ouvir - nem que seja para nos rirmos um bocado. Estas palavras definem aquilo que este senhor faz e é: um incompetente disfarçado de perito da bola. Neste caso, acrescente-se, com uma costela anti-portista militante.
Ora, na cabeça deste iluminado, o lance de que resultou o penalti insere-se nas infracções que devem ser punidas com falta. O entendido até adianta o número da lei, que é a 12. Esta lei, segundo ele, protege Benquerença quando o árbitro assinala grande penalidade, ou seja, o que Rui Santos nos está a dizer é que o árbitro ajuizou corretamente, mas nós - e quando digo "nós" refiro-me ao mundo anti-portista - queríamos que ele tivesse ignorado a falta, sendo que o pior de toda esta situação é que nem podemos invocar a lei, porque ela dá razão ao árbitro. Elucidativo, não? Pelo meio do seu discurso totalmente incoerente, no qual referiu que a questão não é falar deste lance, mas saber se Olegário Benquerença vai manter o critério no resto do campeonato (que critério? o de marcar as faltas quando elas existem?), Rui Santos afirmou que a lei é "subjectiva" e que, se fosse ele, não marcava aquela grande penalidade. Acrescentou que este campeonato, que está "nivelado por baixo" e tem falta de qualidade - o que uma vitória do FC Porto faz! -, começou mal em termos de arbitragem, ontem em Alvalade, e continuou mal hoje em Guimarães. Eu proponho Rui Santos para o prémio Stromp deste ano.
O jogo foi muito difícil para nós quer pela organização e agressividade do adversário em campo, quer pela agressividade do ambiente que os adeptos vitorianos criam sempre que jogam contra nós (foi engraçado ver os grandes planos dos adeptos em fúria, nas bancadas, a insultarem tudo o que mexia de azul e branco). O Guimarães defendeu em bloco, fechou-se muito bem, procurando sempre uma oportunidade de contra-ataque na velocidade de Faouzi e Toscano. Nós entrámos a jogar em ritmo lento, se por instruções expressas de Vítor Pereira, se pela tal marcação cerrada do adversário, não cheguei a perceber. Chegámos ao intervalo com um 2-2 em oportunidades na cara do guarda-redes e 1-0 no resultado. Hulk não conseguiu praticamente jogar, quer pelas faltas sucessivas que sofreu, quer pela eficácia da marcação, mas quando conseguiu, deu de mão beijada duas oportunidades a Kléber. O brasileiro que veio do Marítimo não pode desaproveitar este tipo de oportunidades se se quiser apresentar como alternativa a Falcao. No nosso meio-campo, deu para ver que Guarín ainda não tem condição para ser titular e na defesa tivemos um Otamendi imperial.
Na segunda parte, criámos mais oportunidades que o Guimarães, mas voltámos a desperdiçar, também por muito mérito de Nilson, para mim, a par de Otamendi e João Moutinho, o melhor jogador em campo. Acabámos o jogo aparentemente encostados à cordas, com défice físico, e com um Guimarães a tentar, por todas as formas, um jogo caótico dentro da nossa área através do qual pudesse cair do céu um penalti milagroso.
Não estamos "fortíssimos", como diz o nosso treinador, até porque fisicamente ainda não aguentamos os noventa minutos. Para além disso, temos ainda muitas indefinições no plantel e há jogadores que chegaram tarde aos trabalhos da época. Mas começámos o campeonato com uma vitória justa e temos dois pontos de vantagem sobre os outros dois candidatos ao título. O facto provocará muita azia na comunicação social anti-portista durante a semana. Temos pena.

9 comentários:

Ah pois disse...

guardabel, devias de aparecer no #fcp da ptnet pá!

guardabel disse...

Já andei por esses caminhos, Ah pois. Até fui OP, fui a jantares, jogos de futebol e tudo. Só não me lembro se era esse canal. Já foi há muitos anos...

Vitor disse...

Não foi um bom jogo, pelo lado artístico mas foi um jogo de entrega grande das equipas, as de jogadores, pois a equipa de arbitragem esteve um furos abaixo do aceitavel. Portanto não foi "apenas" ganhar mas acima de tudo o "ter que" ganhar para assim começar do início a liderar e não perder pontos preciosos. A velha história do campeonato ser longo e ainda faltar muita jornada, é discurso de 2º lugar.
O VSC defendeu-se muito bem jogando a velha tática de compensar a falta de técnica com a força bruta, principalmente nos jogadores mais tecnicistas, como foi o caso do J.Moutinho e Hulk, pois sempre que tocavam na bola eram abalroados, ou seja, "partindo" o meio-campo portista o que, dificultou muito a normal construção de jogadas de ataque, estando sempre Hulk e Varela muito recuados...
É óbvio que Kléber não é o Falcao e Souza ainda não é um P.Assunção ou um Fernando. Ainda não, lá chegará...
Do lado do VSC, destaco o Nilson, pela qualidade e João Paulo pela raça e entrega à causa. Pelo lado do FCPorto, destaco J.Moutinho, o que continua a não saber jogar mal e Otamendi, que esteve imperial na sua zona...
O professor M.Machado não é parvo nenhum e sabe muito bem o que faz. Era a minha aposta a suceder o Villas-Boas... Quem sabe um dia...
Quanto a O.Benquerença, pareceu-me bastante permissivo, deixando o VSC jogar muito duro. Houve cartões que ficaram no bolso. O cartão mostrado a Moutinho é correcto, pena que tenha sido o primeiro, quando deveria ser o 3º ou 4º...
O lance das duas bolas em campo foi muito bem gerida, estando dentro da legalidade mas, como refere o Mário Fernando, se o remate de Varela desse em golo, íamos ter filme para várias semanas. Segundo sei, e poderei obviamente estar errado, quando há uma segunda bola em campo, deve a mesma ser retirada o mais rapidamente pelo elemento que estiver mais próximo e o jogo seguirá sem interrupção desde que essa mesma bola não interfira com o lance a decorrer ou com um elemento de campo.
Quanto ao lance do penalti que deu o golo ao FCPorto, existe a falta mas o problema é que existem lances semelhantes em todos os jogos e raramente é devidamente assinalada a falta. O grande mal das arbitragens é o cartão vermelho que não é mostrado.

dragaovenenoso disse...

Ontem vi os jogos do nosso FCPorto e do Barcelona. A nossa equipa ou melhora muito ou então perde a supertaça com os catalães. Nunca gostei do real de madrid e sempre tive uma simpatia pelo Barça até pelas semelhanças que temos para com eles. Mas ontem o jogo deles mostrou que: têm a arbitragem do lado deles (são uns fiteiros de primeira apanha), têm a sorte do lado deles (dois remates na primeira parte, dois golos, e podiam ter sofrido pelo menos mais dois), e quando o jogo adormece são fatais.

Quanto ao FCPorto, tem muita posse de bola, mas isso não chega contra o barça. Ontem o barça surgiu sempre que o real de madrid lhe deu a badagaio.

horta formosa disse...

ides levar uma abada dos Catalanes nem o Onofrio Moreiiras dos santos adrianos pintos vos safam
cá dentro tá tudo controlado,lá fora, até se cagam todos

Ah pois disse...

Deves pensar que perdemos contra Celtas, Olympiakos, uma equipa israelita que já nem me lembro o nome ou o Metalist.

reine margot disse...

Pior guardabel, o que o Rui Brilhantina disse, foi que o Malquerença tinha feito asneira, mas que neste caso a lei o protegia!...
Isto é absolutamente estrondoso, até para ele. Tão surreal que qualquer surrealista ficaria confuso...

JP disse...

equipa israelita deixa ver...wrexham??

quereis o posiga sapoilos, quanto querem p o lebar?

Ah pois disse...

É, usares um exemplo de 1980 e troca o passo... No ano seguinte até fomos campeões europeus já agora, e 2 anos antes tinhamos ido à final da Taça das Taças.

Vocês é resultado de merda ensanduichado entre outros resultados de merda, ou seja é o resultado padrão lá na vossa pocilga.