quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Um zombie glorioso

O nosso Porto faz umas asneiras inexplicáveis (como a patética e negligente exibição em Vila do Conde) mas verdade seja dita, nunca perderia um jogo contra "a melhor equipa do mundo", em casa, cheirando a bola, ficando a um passo da goleada e saindo inusitadamente contente. Sobretudo se tivesse em conta a algazarra do "Messi que é fã do Aimar", da "parada de estrelas na Luz", do "choque de gigantes" e outras fanfarronices absolutamente ridículas que a imprensa alimenta e os dirigentes benfiquistas estimulam.

Na realidade, este Porto, que tem um treinador (insisto) fraco na personalidade e no discurso, que não tem o poder de explosão de um Hulk e que não merece primeiras páginas, é uma equipa com jogadores de qualidade internacional (Moutinho e James, especialmente), gente acima da média e com muitos jovens jogadores que prometem ser casos sérios (Atsu, Alex Sandro, Danilo e, porque não dizê-lo, Iturbe). E é por isso que a exibição com o PSG não surpreende e a vitória só peca por escassa. Em suma, é a nossa normalidade.

Agora atentem nas palavras de Henrique Raposo (colunista do Expresso e benfiquista assumido):


"Como dizia Mourinho há dias, o Benfica tinha perdido a respeitabilidade europeia. Para as gerações de adeptos europeus da Era Champions, o Benfica metia tanto medo como o Bastia, Bolonha ou Bolton. Continuámos a ter um ego de ave de rapina, mas os outros viam bem a nossa condição: éramos uma ave de capoeira, um galináceo a sonhar com voos picados. O gozo de Drogba não veio do nada. Era um zombie, um zombie glorioso, mas um zombie.
(...) 

Com Vieira e Jesus, voltei a ter fé, voltei a sentir aquele electricidade das papoilas saltitantes e não sei quê. "Mas Vieira só tem dois campeonatos e Jesus um", grita o sócio impaciente. Pois, mas antes de Vieira e de Jesus, o Benfica era um Bastia com a mania das grandezas. "
Ler mais: http://expresso.sapo.pt/os-benfiquistas-tem-memoria-curta=f756984#ixzz28HB8Zu8h


Pois é, é tudo passado, isso era antes, agora é que é. Já escutamos muitas variações sobre este discurso que critica o passado para exaltar o presente, mas a alucinação é a mesma. Os benfiquistas vivem embalados pelas glórias do tempo da ditadura, com saudades do Eusébio e dos Calabotes. O facto de não vencerem uma competição europeia desde 1962 é um pormenor sem importância no meio do regabofe do discurso de grandeza. Mas, como "bom benfiquista", Raposo tem fé que "agora é que é". Agora que têm uma equipa com uma dúzia de extremos e nenhum defesa esquerdo "de raiz", agora que o centro do meio-campo tem um perna-longa desprezado pelo Chelsea e um argentino que nunca jogou no centro do terreno. Enfim, percebe-se porque vamos seguir em frente na Champions e estes gajos vão penar.

E para quem acha que somos "tendenciosos", aqui fica um pedaço do que o L'Equipe escreve a propósito do jogo desta noite:
Le PSG passait son premier test de la saison contre le FC Porto ce mercredi en Ligue des champions. Le moins que l'on puisse dire, c'est qu'il fut loin d'être concluant. Dominés toute la rencontre, les hommes de Carlo Ancelotti ont énormément souffert face au jeu léché des Portugais. Ils ont d'ailleurs perdu leur premier match de la saison en encaissant un but à six minutes de la fin par James Rodriguez (1-0). Salvatore Sirigu s'était pourtant employé à moult reprises (3e, 28e, 60e, 74e, 79e) pour retarder l'échéance, mais il n'a rien pu faire sur le tir du Colombien.

8 comentários:

Ribeiro DeepBlue disse...

Se eu fosse adepto do Bastia ou do Bolonha ficava fodido com essa comparação....

Vítor Guimarães disse...

Grande jogo do nosso Porto! Mais um grande jogo. Não sei quem jogou mal...

E mais uma vez, o FDP do Ibraimovic, ficou em campo os 90 minutos!


Foda-se lá o pseudo-jornaleiro franciú... Está a falar de que jogo??? Minha rica bola!

Dragus Invictus disse...

Bom dia

O FC Porto encarou o jogo, como deveria encarar: Favorito!

O adversário, novo rico da Europa do futebol, levou um banho de bola perante um dos melhores clubes europeus.

Fomos agressivos, dominamos e controlamos perfeitamente o jogo, permitindo apenas por duas vezes que o PSG criasse real perigo.

O nosso trio do miolo, ritmou o jogo, foi inteligente tácticamente, pressionando na saída de bola a equipa francesa.

Foi neste sector da equipa que residiu o segredo para a vitória, com Moutinho sublime.

VP esteve bem na substituição de Varela por Atsu, pois nos últimos 15 minutos, dava a ideia que a equipa já se havia conformado com o empate, e já começava a irritar o jogo da nossa equipa, pois nós somos melhores e sentíamos que se apertássemos venceríamos.
O jovem africano foi o elemento que despertou o nosso jogo e nos empurrou para a frente, e eis que apareceu James no jogo, que até então estava encolhido, e até poderia ter sido alvo de substituição.

Moutinho o melhor em campo, numa excelente iniciativa proporcionou a El Bandido uma finalização sublime de primeira, garantindo-nos assim a justa vitória e um passo importantíssimo rumo aos oitavos-de-final.

O resultado foi escasso face ao nosso domínio e oportunidades criadas.

Agora há que não embandeirar em arco, ser humildes, e encarar todos os jogos com a mesma atitude.
Temos de melhorar muito na finalização. Jackson aparece muitas vezes perdido, parecendo que a bola foge dele.

Abraço
Paulo

pronunciadodragao.blogspot.pt

Rui Anjos (Dragaopentacampeao) disse...

Foi no fundo a vitória do colectivismo ainda que o resultado tenha sido colorido com uma autêntica obra de arte de James.

Quando se joga com esta atitude, o mais provável é ganhar. Pena foi a ineficácia no remate, que a não acontecer, transformaria este magro resultado num outro mais amplo e mais justo.

Apesar de tudo, ainda houve algumas falhas defensivas de «palmatória», felizmente sem consequências, mas que convém não repetir.

Estão todos de parabéns e espero que daqui para a frente todos se empenhem da mesma forma, seja que adversário for.

Um abraço

ℙΣ₦₮∀ ➀➈➆➄℠ disse...

caríssimas(os),

num dia a todos os níveis frustrante, só mesmo o nosso FC Porto nos conseguiu dar uma alegria e encher-nos de orgulho!

que a exibição de ontem tenha continuidade já no próximo encontro, é o que mais desejo!


somos Porto!, car@go!
«este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

saudações desportivas mas sempre pentacampeãs a todas(os) vós! ;)
Miguel | Tomo II

Azul disse...

Depois deste jogo confesso que vou pensar duas vezes antes de criticar o nosso mediocre treinador, isto porque neste jogo ficou provado que há alguns meninos no plantel que só jogam quando querem, ou seja nos jogos que têm visibilidade. O treinador pode ter um discurso fraquinho e não ter capacidade para motivar a equipa...mas uma mudança de comportamento tão notoria de um jogo para o outro não pode ser só obra do treinador!

Ribeiro DeepBlue disse...

Ontem vi o Trio de Ataque pela primeira vez desde que o cetáceo comenta pelo SLB.
Reparei que ele estava muito irmanado nas dores de corno do Rui Oliveira e Costa.
Não pude no entanto deixar de rir quando a aventesma comenta o lance do Van Bobobiscoito, em que nem consegue acertar na bola.
É que ver um gajo que precisa de 2 conjuntos de velas de barcos da classe Taça América para fazer um fato, a comentar lances de futebol não deixa de ser um pouco caricato.

O tipo é multi-facetado. Não tenha nada contra que comente televisão ou cinema ou literatura, pois ele poderia ter a possibilidade de igualar ou até superar as pessoas que critica.
Mas ver esta figura a comentar desporto, causa-me perplexidade...

Ribeiro DeepBlue disse...

Houvesse jornalismo verdadeiro em Portugal e o labrego que treina o clube de Carnide teria sido confrontado com as suas palavras de há dois anos atrás em que afirmava que equipas a jogar na Europa como o Benfica, só o Barcelona.
Sim, o Benfica era a única equipa da Europa que poderia ombrear com o Barça.
Nem Chelsea, nem Bayern, nem Inter, nem Real.
Não.
Só o Benfica.


Mas como não há tomates para beliscar suas altezas, manda-se a deontologia à merda e cá vai disto:
"Pois...pá...sim....e tal....eles são 'munta' melhores 'ca' nós"
Bastaria uma pergunta.
Uma só pergunta.

"Jojesus, como viu a sua equipa, tendo em conta que é a única, segundo as suas palavras que consegue fazer frente ao Barcelona"