sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Apanhar a toalha do chão

Esta capacidade de regeneração que o futebol nos traz é fantástica. No domingo à noite chorávamos que nem umas madalenas o afastamento do título, recuperávamos velhas acusações a Lopetegui, perguntávamos a Indi "Como foi possível?", púnhamos em causa a SAD e insinuávamos o fim do período de validade do nosso Presidente. Vinte e quatro horas depois, desligávamos a TV segundos após Paixão apontar para a marca da grande penalidade e abríamos a boca de espanto, uma hora a tal depois, com os noticiários a darem destaque a um tal Sérgio Oliveira. Ontem à noite, esquecíamos tudo e sorríamos com um miúdo de apelido célebre a mostrar que está destinado a ser grande como o pai - ou ainda maior, quem sabe. Em quatro dias, estivemos no inferno, mas voltámos para ver se ainda conseguimos um lugarzinho no céu esta época. Apanhemos a toalha do chão.

6 comentários:

Antonio Silva disse...

Tens mais fé que eu, ó guardabel.

marujo88 disse...

Por isso é que o futebol é lindo, é um desporto especial, não há nada como ele.
Viva o FCP
Abraço
Manuel da Silva Moutinho

cian disse...

há que acarditar.

André Pinto disse...

Quem nos apanhará a toalha do chão serão eventualmente os verduscos. Daqui até ao jogo no WC XXI veremos momentos divertidos protagonizados pelo homem da chicla. Antes de partidas decisivas frente aos rivais, Jesus não resiste em mandar farpas que só servem para motivar os adversários contra ele... e já começou. Infelizmente, o jogo no Dragão foi muito cedo no calendário, senão o homem tinha atiçado o Lopetegui e todo o balneário do FCP.

miguel.ca disse...

As críticas à SAD e ao Floretegui mantém-se inalteradas... pelo menos aqui.

Miguel Lima disse...



infelizmente ainda há quem não saiba que o nome do treinador do FC Porto é Julen Lopetegui. L-o-p-e-t-e-g-u-i.
eu sei que é um apelido basco, "e coiso e tal". mas já há programas informáticos de alta voz que ajudam em situações de dificuldades de pronunciação...

Miguel | Tomo II