segunda-feira, 9 de abril de 2012

Nódoa, manchas e outras coisas incríveis

Calimeros

Esta Liga ainda não terminou (sim, com VP não é garantido que o Porto vença na Madeira ou que não fiquem pontos por ganhar com o Rio Ave e o Sporting) mas os Coisinhos já atiraram a toalha ao chão: ensaiaram a ladainha em Londres e agora é sempre a cantar: "fomos prejudicados", "este jogo fica marcado por decisões que lesaram o Benfica" e o clássico interno "este campeonato fica manchado". A parte irónica deste discurso desculpabilizador é o facto de, tanto em Stamford Bridge como em Alvalade, o SLB ter perdido pela margem mínima em jogos de onde poderia facilmente ter saído goleado.

Vamos então falar de manchas

A memória selectiva destes mal-agradecidos funciona de um modo peculiar e nem é preciso ser exaustivo para o provar: lembram o 3.º golo do Porto na Luz e esquecem, entre outras coisas, a expulsão do Maxi que ficou por fazer mesmo no final do encontro; recordam o penalty que Soares Dias não marcou no 1.º minuto de jogo com o Sporting e varreu-se-lhes das cabecinhas o 2.º penalty que o Garay cometeu na mesma partida; evocam um penalty em Coimbra e esquecem o descarado voo para a piscina do Nolito no Estádio dos Barreiros;  alegam dualidade de critérios em Guimarães fazendo vista grossa ao golo do empate marcado em fora-de-jogo com que saíram de Barcelos ou, mais recentemente, a forma vergonhosa como bateram um Paços de Ferreira que acabou com 9 num jogo em que Maxi e Bruno César ficaram inexplicavelmente em campo até ao fim depois de terem cometido inúmeras atrocidades. Aliás, o uruguaio nem sequer deveria ter podido alinhar (se o apito final do juiz da partida da Luz não tivesse deixado impune a agressão a James Rodriguez).

O que se passou para lá da cortina de fumo

Os nossos portaram-se muito bem em Braga. Sim, num jogo muito equilibrado fomos felizes. E essa felicidade tem um nome: chama-se Hulk. E fomos mais equilibrados também: sem Fernando, temia o pior, que era o cenário vivido em Barcelos. Mas, felizmente, uma semana depois de ter dito que o nosso belga não valia metade do que vale o seu compatriota do SLB, o homem decidiu fazer o melhor jogo da época - com a habitual colaboração de Moutinho, este duplo pivot defensivo secou o meio campo do Braga (Mossoró nada produziu, Hugo Viana esteve intermitente e o resto dos "guerreiros do Minho" lutavam muito mas perdiam quase sempre) e ainda teve tempo para atacar.

Esta dupla serviu inclusive para disfarçar mais uma exibição pálida do Lucho, a inconsequência habitual do esforçado Kléber e a inusitada tendência para asneirar do nosso defesa esquerdo uruguaio. Ao intervalo, o Guardabel dizia que estávamos a jogar com 10 e eu respondia-lhe que o 11 "em falta" poderia ser  o Álvaro Pereira, o suposto "matador" brasileiro ou até o "missing in action" James Rodriguez. No lado positivo ficaram os dois centrais (Rolando fica bem no banco), a lucidez do Sapunaru depois de injustamente amarelado e, claro, o homem que criou os nossos quatro lances de golo  (dois desperdiçados pelo Lucho, um soberbamente defendido pelo Quim e outro que James desperdiçou), marcando na única jogada em que alguém o serviu.

Uns são mais incríveis do que os outros

Na verdade, moralmente falando, o Braga de Leonardo Jardim e Salvador é o vencedor desta Liga: com o refugo ou as sobras dos ditos "grandes" (Quim, Miguel Lopes, Nuno André Coelho, Hélder Barbosa, Ukra, Alan, Custódio, Hugo Viana, Nuno Gomes e Ruben Amorim), uns brasileiros de segundo plano ou até ilustres desconhecidos, totalizando um investimento 6 ou 7 vezes inferior ao do Porto, conseguiram arrancar uma sequência de vitórias fabulosa e perderam o campeonato na recta final, em dois jogos com adversários directos que, diga-se em abono da verdade, poderiam facilmente ter caído para o seu lado. Não me parece que possam ter, em qualquer dos casos, razões de queixa da arbitragem, mas quando está tudo por arames, é nos detalhes que as coisas se decidem: uns têm Gaitan outros têm Alan; uns têm um Lima incrivelmente goleador e outros têm o único e verdadeiro incrível Hulk. Em suma, aquela equipa merece todos os elogios e Leonardo Jardim já provou merecer a nossa "cadeira de sonho".

It's not over till it's over

São 4 pontos de vantagem mas espera-nos um caminho estreito até ao título que se adivinha. Ganhar em casa ao Beira-Mar é uma obrigação; vencer fora o Marítimo é um desafio complicado; derrotar o Sporting no Dragão poderá permitir comemorações precoces e, se necessário, faremos a festa em Vila do Conde. Todavia, depois de um empate em casa com uma Académica em profunda crise de confiança e resultados, de mais um falhanço em Paços de Ferreira e das muitas outras atribulações do consulado de Vítor Pereira, não prevejo facilidades. Aliás, prevejo que a ladainha benfiquista coloque os árbitros sob pressão, os dos nossos jogos e os dos deles, resultando naquilo que já sabemos.




7 comentários:

ℙΣ₦₮∀ ➀➈➆➄℠ disse...

@ pôncio

mas que g'anda "posta de pescada"®.

não faltou nada!
os meus (sinceros) parabéns!

abr@ço
Miguel | Tomo II

Ribeiro DeepBlue disse...

O estranho caso do jornalista brasileiro.

Na conferência de imprensa, após o jogo de ontem ocorreu, um facto insólito (no nosso país, entenda-se...).
Vendimundo Walter do Paranabaí (ou qualquer coisa assim), jornalista brasileiro levantou-se, sob o olhar espantado do colega português sentado à direita ( "Chlep-chlep", do jornal "Os Lambecús") e do outro colega português
("WeLoveToKissAss" do Jornal "Baixei as Calças, já podes...") e questionou o labrego treinador benfiquista de uma forma totalmente dessassombrada, tendo dito qualquer coisa como:
"Ouça lá, ó seu burro do caramba, está a falar de penalties agora, porque não falou a semana passada no jogo do Braga??"

Este herói, foi diligentemente interrompido por um papagaio qualquer, mal habituado a que alguém tire a mordaça que o clube do regime impôs à comunicação social portuguesa e pense pela sua cabeça.

Para mim, foi o momento do jogo.

Noutra nota:
Por não poder ir ao estádio, fui apoiar a equipa à saída do Hotel onde estava instalada (Meliá, por sinal propridade do...António Salvador!).
A saída dos jogadores correu normalmente.
Sai o treinador e ouve-se um sonoro "Murcom do caralho!".

Pergunto: para quê?
Eu não morro de amores pelo homem, mas acho que este tipo de atitudes são deploráveis...
4 jogos para o fim. A meta está à vista. Bem ou mal o homem é o capitão desta nau e só temos que apoiar.
O juízo será feito no final.

E só espero não ter que mamar com Jorge Jesus, ando a ouvir umas coisas que me estão a assustar.

cian disse...

sim, os benfiquistas finalmente acordaram, afinal em vez de pedirem que o Vitor Pereira fique no Porto(como se isso fosse resolver os problemas deles), finalmente chegaram à conclusão de que não há nada que perturbe mais a massa adepta do FC Porto que pedir a cabeça de Jorge Jesus, aliás, não há nada que perturbe mais o próprio Vitor Pereira e ponha a salivar as beiças do nosso presidente, que pedir a cabeça de Jorge Jesus, já sabemos como é o nosso presidente em termos de amores e teimosias.
Mas se Vitor Pereira conseguir ganhar este campeonato à muito perdido, nas profecias de alguns, também não será difícil "acraditar" que Jorge Jesus ganhe a sua tão desejada Taça dos Campeões Europeus em 2014 com o FC Porto...

penso eu de que,

...isso sim, seria a cereja no topo do bolo.

DMST disse...

Como disse o meu chefe... se este ano formos campeões, pior que o VP e depois de já ter sido campeões com benfiquistas, para o ano que vem podemos tentar com um macaco amestrado a orientar a equipa!
PS. Jasus!!! O "catedrático da cicla" não, faxavore!!

Ribeiro DeepBlue disse...

Na sequência da derrota vieram logo as hienas benfiquistas clamar a catástrofe.
Destaco em particular António Figueiredo e o António Veiga, por terem proferido críticas em uníssono.
Estes dois parecem os testículos, andando sempre juntos.
Basta relembrar que campeonato do EstorilGate um era presidente e o era outro accionista maioritário (embora escondido) do dito clube.
Há cada coincidência...

Entretanto, a forma como o Sporting omite os erros de arbitragem é linda de morrer.
Teriam eles pedido alguma audiência ministerial caso o penalty no primeiro minuto tivesse sido ao contrário e tivessem perdido.
Concerteza.

Ribeiro DeepBlue disse...

Alguém me sabe dizer que nome se dá ao acto dum dirigente desportivo depositar uma determinada quantia (digamos....2000 euros) na conta dum árbitro?
E já agora, alguém me sabe dizer qual é a sanção prevista para esse mesmo acto?

É que de repente, estou com uma branca...

Ribeiro DeepBlue disse...

E vai ser giro ver o médico bêbado das segundas feiras a tentar justificar com aquela vozinha anasala de "Tia Cocó de Caiscais" como é que o impoluto clube dele anda a fazer falcatruas destas com árbitros...

Sofri muito este ano, mas de repente, em poucos dias, só encontro motivos para me rir desbragadamente. Acho que começou tudo lá para os lados de Londres...