segunda-feira, 7 de julho de 2014

Do mundial (X)

1. Do segundo dia de quartos-de-final, nada de surpreendente houve a registar. Ou melhor, poder-se-ia esperar um pouco mais de uma Bélgica que tão boas individualidades tem, mas, na realidade, aconteceu-lhes o mesmo que à França. Na hora da verdade, contra uma seleção mais experiente, caíram, sem que se pudesse falar sequer em vitória moral ou qualquer coisa parecida que as fizesse sair do mundial em relativa glória (como aconteceu com a Colômbia).

2. Sempre disse, já dos tempos dos coisinhos, que Witsel era um jogador sobrevalorizado. É bom jogador, mas não é um craque à escala planetária (como eram, no seu tempo, por exemplo, um Enzo Scifo ou um Jan Ceulemans) como quiseram fazer dele. Apesar da qualidade técnica, de passe, principalmente, e de aparecer bem na área para finalizar, acho-o lento e afastado do jogo em grandes períodos de tempo. Quanto ao "nosso" Defour, só posso dizer que foi realmente uma pena não se ter valorizado para ainda nos render uns trocos.

3. A Argentina também não me convence por aí além, mas, lá está, com Messi tudo pode acontecer (de bom) a uma seleção. E se Di María estiver num dia daqueles (já não vai estar mais, o que é uma pena) e o Higuaín resolver acertar na baliza...

4. A Costa Rica foi surpresa, mas não chegou a sensação. Teria sido sensação se tivesse eliminado a Holanda. Não eliminou, nem o merecia. A Holanda foi melhor, porque tem jogadores melhores. Mais pragmático que isto não posso ser. Por falar em pragmatismo, não haveria muito para dizer sobre o jogo para além das defesas do Navas se Van Gaal não tivesse substituído o guarda-redes para os penaltis e proporcionasse, assim, assunto para mais trinta minutos de debate, opinião, análise nos programas televisivos.

4 comentários:

André Pinto disse...

Fora as estatísticas, não entendo os que dizem ser este o melhor mundial de sempre. A não ser por um forte desejo, interessado ou não, em que o seja.

Surpresas, só a Costa Rica. Olhando o lote das equipas que se defrontaram nos quartos, não vejo qualquer alteração nas habituais relações de competitividade. Há sempre um ou dois outsiders ao situacionismo dos favoritos. Nada de anormal, portanto.

Futebol espectacular, com marca d'água artística, só vi o da Colômbia, mas infelizmente sem qualidade correspondente nos movimentos defensivos. O Brasil compõem-se hoje de 9 Maxi Pereiras, Neymar e Óscar. Fala-se muito na lesão do astro brasileiro, e escamoteia-se como foi possível Fernandinho acabar o jogo em campo, não tendo visto sequer um único amarelo! Scolari deu ordens para destruir o jogo colombiano; os seus pupilos foram literais e de repente tivemos o Boavista de Jaime Pacheco em campo, disfarçado de selecção. A Argentina é um bocejo constante, com ilhas de luminosidade futebolística lá pelo meio, proporcionadas pela dupla Messi/Di Maria. Uma selecção onde Rojo é titular não dá as melhores sensações. A Alemanha, equipa mais equilibrada e, para mim, favorita desde o início, faz jus ao seu estilo de décadas, de sobriedade, eficácia e rigor. A Holanda teve alguma sorte nos adversários. Tenho a sensação de que, se forem pressionados, não têm grandes soluções.

Uma palavra para a malta da RTP: tenham noção do ridículo. Não é por fazerem um teatro parvo ao microfone que um jogo aborrecido e retrancoso passa a ser uma partida histórica. É aquela habitual arrogância jornalística de quem se acha dono da realidade... Também seria salutar compreenderem que não basta ser-se treinador profissional de futebol para redundar em comentador aceitável. Vítor Pereira fez cocainómanos babarem a almofada.

O melhor mundial de que me lembro foi o de 1994. O último dos mágicos Brasis (Romário, Bebeto, Raí, Dunga, Donizete, etc.) , porque a partir daí o cinismo futebolístico chegou a terras de Veracruz. O último de Maradona, já gordote e ligeiramente encanecido, mas com momentos abençoados sobre a relva (aquele golo contra a Grécia). O da ascensão e queda de Roberto Baggio, transformado em jogador de rugby naquele penalty histórico...

Como é possível dizer-se que o festival de especulação e cinismo com a redonda, que é a competição actual, é o melhor mundial de sempre?

Marta Paiva de Sousa disse...

Sou Marta Sousa
Grande Magico DECO…
Vou estar presente no jogo do dia 25 no Dragão de Homenagem a esse grd jogador…
Joga o FCP-Campeao Europeu contra o Barcelona Campeao Europeu…

Messi ja confirmou presença no Estadio onde se estreou!!

André Pinto disse...

Lá se foram as meias finais. Depois do Iguaçu de tinta que a derrota do Brasil suscitou, não me apraz acrescentar mais nada. Para explicação, têm aqui o sr. Breitner.

http://videos.sapo.pt/5BnLZaAqW4rAgzpdHGfP

A segunda meia final foi uma feliz metáfora de todo o campeonato: roncos cavernosos fizeram eco na escadaria aqui do prédio. Perante o frete que o espectador dedicava a semelhante pastoreio futebolístico, atirava o labrego do microfone: -"Jogo sem golos, nem oportunidades, mas tacticamente interessantíssimo!" É sabido que o autor destas palavras sofreu dolorosíssimas erecções enquanto assistia aos quartos de final do campeonato distrital de Xadrez de Liubliana... Mais à frente, a mesma cavalgadura insistiu em chamar Maxi Pereira a Maxi Rodriguez. Quando finalmente percebeu a tolice, enfiou o barrete da possibilidade facciosa, pondo-se a dar justificações, em voz gaguejante.

Bom, aí temos a final, em que uma equipa de futebol (Alemanha) enfrentará uma especulação futebolística (Argentina). Espero que a turma teutónica esmague. E eu não vou à bola com boches...

cian disse...

concordo plenamente contigo nesse comentário André Pinto, estes quartos de final e meias finais foram das mais aborrecidas da História dos mundias, tudo a penáltis ou 0-0, e o 7-1 do Brasil foi o cúmulo do ridículo. Enfim, dos que acham que este Mundial foi "muito bacana" só mesmo os americanos, Brad Friedel foi um dos comentadores que disse que este tinha sido um dos melhores mundias de sempre, pois, até parece que ele ainda não tinha nascido quando houve esse mundial na própria casa dele em 94, ridículo.

Para se perceber melhor porque é que este Mundial é mesmo um dos piores de todos os tempos basta observar o que foi considerado a melhor finta do torneio pertencente a Cristiano Ronaldo, num lance em que não passou por ninguém e depois passou para o lado:

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=751063&tm=148&layout=122&visual=61